Notícias

IBTeC comemora resultados de 2019 e coloca como desafios estratégicos o reconhecimento como referência em inovação, pesquisa e tecnologia, além de excelência em prestação de serviços

IBTeC comemora resultados de 2019 e coloca como desafios estratégicos o reconhecimento como referência em inovação, pesquisa e tecnologia, além de excelência em prestação de serviços 10 JANEIRO

O ano de 2019 foi muito positivo para o Instituto Brasileiro de Tecnologia do Couro, Calçado e Artefatos - IBTeC. De acordo o presidente executivo da instituição, Paulo Griebeler, “tivemos crescimento de dois dígitos, e estamos prevendo para o novo ano pelo menos o mesmo desempenho”.

O crescimento registrado em 2019 “é resultado do esforço que nossa equipe fez para atender novos nichos de mercado, da melhora na nossa entrega nas áreas em que já somos consolidados, e do trabalho de apoio aos nossos clientes, na busca de soluções inovadoras para seus produtos e processos”. O presidente executivo do IBTeC entende que “os movimentos realizados pela equipe ao longo dos últimos anos na busca da construção da diversificação de nossos mercados e de nossos serviços nos traz efeitos que nos surpreendem pela rapidez”.

Para 2020, “estamos finalizando o planejamento estratégico que vai guiar nossas metas para a próxima década. Estamos construindo ‘o IBTeC do Futuro’. Entre as definições para o ciclo que se inicia no próximo ano está “a conquista do reconhecimento do mercado como uma instituição de inovação, pesquisa e tecnologia, e pela excelência em prestação de serviços”, afirma o presidente. Paulo Griebeler salienta que “nossa busca pela inserção na economia digital precisa ser acompanhada pelo foco na excelência na prestação de serviços. Aumentar nossa agilidade na entrega mantendo a qualidade dos nossos serviços é uma das metas para 2020”.

Nos últimos anos, o Instituto investiu na ampliação dos laboratórios de qualidade do instituto, na criação de um laboratório de vestimentas e luvas, para atender os fabricantes de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e na ampliação da capacidade de atendimento dos laboratórios de Biomecânica da instituição. Também foram feitos investimentos intensivos na implantação do laboratório de análise de substâncias restritas, especialmente para apoiar os exportadores. A criação do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT), que vem atuando em parceria com instituições de fomento e entidades como Sebrae e universidades de todo o país, foi outro grande passo do IBTeC nos últimos sete anos.

Todas as ações do Instituto foram pensadas e implementadas “para que possamos cada vez mais contribuir para o desenvolvimento das empresas de todos os segmentos que atendemos”, lembra o presidente Paulo Griebeler. Especificamente em relação ao NIT, “estamos com uma equipe de profissionais extremamente capacitados para trabalhar a inovação, pesquisas de materiais e desenvolvimento de produtos, para que a nossa indústria calçadista possa produzir calçados de alto valor agregado, a partir de diferenciação em tecnologias de conforto, performance e em produtos voltados para o bem-estar”. Para tornar os projetos realidade, o NIT está conectado com as instituições de fomento à pesquisa, com capacidade para encaminhar a solução completa - desde a idealização de um novo produto ou de uma pesquisa, até a obtenção de recursos financeiros para viabilizar seus projetos.

Para o próximo período, o Instituto reforçará a capacidade de atendimento da área de consultoria, setor que faz um trabalho de apoio na reestruturação fabril e de gestão das empresas. O objetivo desta área “é auxiliar as empresas na busca de caminhos que aumentem sua produtividade e que as levem a soluções para sua inserção no conceito de indústria 4.0”. Paulo Griebeler salineta que a proposta do IBTeC é fazer com que a indústria calçadista acredite na agregação de valor aos seus produtos como o diferencial que vai fazer com que suas marcas cresçam tanto no mercado interno quanto nas exportações.

Os laboratórios de biomecânica do IBTeC passaram por completa reestruturação em 2019, com investimentos em equipamentos e pessoal. Além dos 15 anos de dedicação dos laboratórios à conquista das normas de conforto (o Brasil é o único país do mundo que tem ensaios que definem se um calçado é confortável), a equipe trabalha novas frentes de apoio aos fabricantes de calçados, com o desenvolvimento de pesquisas e certificação de produtos. E no último trimestre do ano de 2019, foi iniciado um trabalho de apoio a empresas que queiram ser reconhecidas por sua preocupação com o público 60+ - o IBTeC lançou o Selo Funcional, para produtos inclusivos, área que deverá ter desenvolvimento significativo no planejamento estratégico da instituição para os próximos anos. O Selo Funcional foi pensado para certificar todos os produtos que tenham sejam de uso fácil para pessoas de todas as idades.

Hoje com cerca de 100 colaboradores, o IBTeC duplicou a equipe em oito anos. A proposta para os próximos anos “é intensificar nossa prática de investimento na qualificação de nossos colaboradores, e continuar na busca por mercados cada vez mais diversificados”. Paulo Griebeler salienta que o Instituto tem um resultado acima da média quando o assunto é apoio à qualificação dos colaboradores - além de verba anual para cada colaborador investir em cursos, o IBTeC apoia os colaboradores na graduação, com convênios com instituições de ensino superior que chegam a oferecer descontos de 50% nas mensalidades para os funcionários do IBTeC. A instituição tem ainda parceria com a Fundação Getúlio Vargas, com subsídio de 100% para cursos de MBA. O objetivo da direção “é transformar o IBTeC em um local cada vez melhor para se trabalhar”.

 

PARTICIPAÇÃO INSTITUCIONAL

O Instituto tem mantido foco na realização de atividades conjuntas com as entidades do setor. A Semana do Calçado, que aconteceu em outubro pelo quarto ano consecutivo, é uma das atividades mais importantes. A ação, idealizada pelo IBTeC e pelo Sebrae, tem a participação de Abrameq, Abicalçados, Couromoda, Fenac/Fimec, Assintecal e CICB. O objetivo da semana é promover a competitividade e sustentabilidade setorial, trazendo temáticas como produtividade, inovação, sustentabilidade e novas tecnologias, como forma de repensar a matriz produtiva, quebrando paradigmas e buscando soluções para superar as lacunas tecnológicas ainda existentes. Paulo Griebeler lembra que são quatro anos de realização da atividade que mostra a união das entidades do setor. Em 2019 foram sete atividades que reuniram mais de 2.000 pessoas.

O ano de 2019 foi marcado pela participação do IBTeC nas atividades do setor, dentro e fora do Brasil. Fizemos um esforço extra para estar nas principais realizações internacionais, como feiras do setor de calçados na Colômbia, A+A na Alemanha (voltada para calçados de segurança). Internamente, estamos investindo além das feiras do segmento calçadista, também em férias da área de saúde e segurança do trabalho, como a FISP em São Paulo.